quinta-feira, 2 de julho de 2009

PODE SEU CASAMENTO SER SALVO?‏

O texto abaixo é longo, mas de uma riqueza admirável para nossos matrimônios. Aos casais que se encontram em dificuldades, e mesmo aos que estão bem, convido a lerem esse artigo e a praticarem.

O mundo de hoje nos leva a um exagerado egoísmo, feminismo e machismo. A proposta da Igreja é simples, basta segui-la, sem preconceitos e tudo dará certo. Convido-o a esse desafio: salve seu casamento, sua família por meio desses simples ensinamentos. E divulgue àqueles que você sabe que hoje precisam.

Hoje tantos casais buscam terapeutas... nada contra os bons profissionais da psicologia, principalmente os cristãos... mas seguir algumas regras do Catolicismo facilitaria a vida de todos. Tente, não custa nada, e a recompensa será ETERNA!!!!

Abraços,

João Batista

*********************

PODE SEU CASAMENTO SER SALVO?

Por Emerson de Oliveira

É um fato infeliz, mas os casamentos de mais de um milhão de pessoas se rompem cada ano pelo divórcio, só nos Estados Unidos. Isto significa aproximadamente um divórcio cada minuto, em média!

É lamentável que tantas pessoas que esperavam encontrar felicidade no casamento acharam exatamente o oposto. Certo conselheiro matrimonial, nos Estados Unidos, observou a respeito dos que se casam hoje em dia: "Uma quarta parte deles acabará no tribunal de divórcio, ao passo que outra quarta parte manterá seu casamento legalmente intato, por diversas razões, tirando, porém, pouca satisfação dele."

Torna-se bastante claro, que o casamento de milhões de pessoas precisa de ajuda. Pode ser que o seu próprio casamento esteja em dificuldades. O que poderá fazer para fortalecê-lo? Como poderá alcançar a felicidade que originalmente esperava ter no matrimônio?

PROCURE AJUDA DA FONTE CERTA

O homem e a mulher se combinam maravilhosamente. São inerentemente preparados para viverem juntos como marido e mulher. No entanto, muitos casamentos fracassam. Por quê? Porque desconhecem um requisito importante.

Um requisito básico para o genuíno bom êxito no casamento é o de consultar regularmente o conselho de seu Originador, o Criador do homem, Deus. Ele proveu na sua Palavra escrita, a Bíblia, o conselho que, se aplicado por ambos os cônjuges, certamente assegurará a felicidade do seu casamento. Também forneceu a Igreja que, por seu Magistério e moral, insta para que o Matrimônio também seja santo, pois é um sacramento.

O Catecismo diz:

1601 - "A aliança matrimonial, pela qual o homem e a mulher constituem entre si uma comunhão da vida toda, é ordenada por sua índole natural ao bem dos cônjuges e à geração e educação da prole, e foi elevada, entre os batizados, à dignidade de sacramento por Cristo Senhor".

1602 - A sagrada Escritura abre-se com a criação do homem e da mulher à imagem e semelhança de Deus se fecha-se com a visão das "núpcias do Cordeiro" (cf. Ap 19,7). De um extremo a outro, a Escritura fala do casamento e de seu "mistério", de sua instituição e do sentido que lhe foi dado por Deus, de sua origem e de seu fim, de suas diversas realizações ao longo de história da salvação, de suas dificuldades provenientes do pecado e de sua renovação "no Senhor" (1Cor 7,39), na no aliança de Cristo e da Igreja.

Não se trata de simples teoria, nem de uma asserção frívola, sem base. Trata-se dum fato. Quando as pessoas realmente se esforçam a cultivar no seu matrimônio as qualidades recomendadas pela Bíblia e pela Igreja católica, ocorrem notáveis melhoras. Está disposto a fazer um esforço sério para salvar seu matrimônio, por aceitar o conselho do principal conselheiro matrimonial, Deus?

QUANDO HÁ SÉRIAS DIFICULDADES

Talvez pense que seu casamento já está além de ajuda, que os problemas são sérios demais. Seu marido talvez seja beberrão. Às vezes talvez abuse até mesmo fisicamente de sua pessoa e expresse muito desrespeito para com Deus e sua Palavra. O que se pode fazer em tal caso?

A situação não é desesperadora. Houve casos, no primeiro século, em que maridos não tinham nenhum respeito pelos princípios cristãos. Observe o conselho divino dado às esposas cristãs confrontadas com tal situação: "Vós, esposas, estai sujeitas aos vossos próprios maridos, a fim de que, se alguns não forem obedientes à palavra, sejam ganhos sem palavra, por intermédio da conduta de suas esposas, por terem sido testemunhas oculares de sua conduta casta, junto com profundo respeito." — 1 Ped. 3.1, 2; Tito 2.4, 5.

Este conselho mostrou vez após vez ser proveitoso. As esposas cristãs, ao demonstrarem conduta casta e profundo respeito, muitas vezes conseguiram salvar seu matrimônio, transformando-o numa união feliz. Talvez pergunte: "Mas como se pode ter respeito por um homem que se embriaga e que desrespeita a Deus?"

É verdade que não é fácil. Naturalmente, não pode aprovar a embriaguez ou outra conduta ímpia. Mas poderá esforçar-se para aumentar seu respeito pelo cargo de seu marido ou pela sua posição como chefe da família.

O Catecismo também enumera:

1606 - Todo homem sofre a experiência do mal, à sua volta e em si mesmo. Esta experiência também se faz sentir nas relações entre o homem e a mulher. Sua união sempre foi ameaçada pela discórdia, pelo espírito de dominação, pela infidelidade, pelo ciúme e por conflitos que podem chegar ao ódio e à ruptura. Essa desordem pode manifestar-se de maneira mais ou menos grave, e pode ser mais ou menos superada, segundo as culturas, as épocas, os indivíduos. Tais dificuldades, no entanto parecem ter um caráter universal.

Também, embora possa ter descoberto, a seu respeito, coisas desagradáveis como pessoa, desde que se casou com ele, sem dúvida, procurando-os, poderá achar novos aspectos de sua personalidade que considera desejáveis. Também, não poderá continuar a desenvolver o amor e o respeito pelas coisas do seu marido, que inicialmente estimularam seu amor por ele, se ainda possuir estas mesmas qualidades, bem como pelas boas coisas que descobriu desde então? Há algo que possa fazer pessoalmente para salientar as boas qualidades dele e reduzir ao mínimo as suas indesejáveis?

Algumas esposas pensaram seriamente nestes assuntos. E cultivaram também a qualidade cristã da perseverança, permanecendo castas e respeitosas durante anos de maus tratos por parte dos maridos que se opunham ao seu proceder cristão. O resultado foi às vezes totalmente emocionante.

Há muitos exemplos de esposas que, por meio de sua conduta casta e profundo respeito, ganharam seus maridos para o cristianismo. Embora isso possa levar anos, quão felizes se sentem estas esposas, de que não desistiram, nem abandonaram seus maridos! Pode-se obter verdadeira bênção em resultado da perseverança.

EVITAR A SEPARAÇÃO E O DIVÓRCIO

É verdade que Deus fez a concessão de divórcio na sua lei. Mas esta lei não admite muitas razões para se romper a união marital por meio do divórcio. O Filho de Deus, Jesus, disse: "Eu vos digo que todo aquele que se divorciar de sua esposa exceto em razão de fornicação [ou adultério], e se casar com outra, comete adultério." (Mat. 19.9) Assim, o divórcio bíblico é limitado.

O Catecismo reza:

1610 - A consciência moral concernente à unidade e à indissolubilidade do Matrimônio desenvolveu-se sob a pedagogia da lei antiga. A poligamia dos patriarcas e dos reis ainda não fora explicitamente rejeitada. Entretanto, a lei dada a Moisés visava proteger a mulher contra o arbítrio é a dominação pelo homem, apesar de também trazer, segundo a palavra do Senhor, os traços da "dureza do coração" do homem, em razão da qual Moisés permitiu o repúdio da mulher.

O adultério é a única razão permitida pela lei de Deus para haver divórcio e novo casamento. Mas, que dizer da separação dos cônjuges, quando não houve adultério e quando não se pensa em divórcio? O que diz a Palavra de Deus sobre este assunto?

Esta questão surgiu na igreja coríntia do primeiro século, e Deus inspirou o seguinte conselho: "A esposa não se afaste de seu marido, mas, se ela realmente se afastar, que permaneça sem se casar, ou, senão, que se reconcilie novamente com seu marido; e o marido não deve deixar a esposa." (1 Cor. 7.10, 11) Assim, embora se reconheça que nem todos os casais se manterão unidos, a Bíblia mostra que os casais cristãos devem fazer todo o possível para resolver as diferenças que possam surgir, e não devem separar-se.

A razoabilidade disso é evidente, pois, quando ambos os cônjuges professam ser cristãos dedicados, têm a obrigação de cumprir a vontade de Deus, e a vontade de Deus para casais cristãos é que `se apeguem um ao outro' e não rompam a união marital. (Gên. 2.24; Mat. 19.4-6) Realmente, na vida dos maridos e das esposas cristãos não devia surgir nenhum problema que não possa ser resolvido com a aplicação da sabedoria da parte de Deus e por mostrarem verdadeiro amor um ao outro.

Mas, qual é a situação quando um dos cônjuges é cristão dedicado e o outro é incrédulo? Neste caso, a Bíblia aconselha: "Se algum irmão tiver esposa incrédula, e ela, contudo, estiver disposta a morar com ele, que ele não a deixe; e a mulher que tiver marido incrédulo, e ele, contudo, estiver disposto a morar com ela, não deixe seu marido. . . . Mas, se o incrédulo passar a afastar-se, deixe-o afastar-se; o irmão ou a irmã não está em servidão em tais circunstâncias, mas Deus vos chamou à paz." — 1 Cor. 7.12-15.

As Escrituras, portanto, dão ênfase primária a não se romper a união marital. Caso se rompa, o cristão deve esforçar-se a não ser ele quem causa o rompimento. No entanto, se o incrédulo se afastar, o cristão deve deixá-lo afastar-se.

Há uma decidida vantagem de se permanecer com o cônjuge, mesmo que seja um incrédulo. Em primeiro lugar, há a possibilidade de que o cristão possa ganhar seu cônjuge para o cristianismo. Por certo, o incrédulo goza de uma posição vantajosa, pois está em contato com o verdadeiro cristianismo por estar com o crente. — 1 Cor. 7.16.

Depois, também, caso se separem sem ter havido adultério como base para a separação, não estaria biblicamente livre para se casar de novo ou para ter relações sexuais com outra pessoa, mesmo que obtivesse um divórcio. Pense na pressão que tal separação pode exercer sobre a sua pessoa. Que diria se resultasse em cair na imoralidade? Quão triste isso seria!

Outro fator importante a considerar são os filhos, se os tiver. Bastarão o cuidado e o amor de apenas um dos pais? Poderá cuidar da situação do ponto de vista financeiro, bem como em outro sentido?

É verdade que, se a situação for extremamente séria, talvez decida recorrer à separação. Mas este passo deve ser dado apenas como último recurso, depois de todos os outros esforços para sanar a situação se terem esgotado e depois de consideração feita com oração.

ESFORÇO PARA PRESERVAR SEU MATRIMÔNIO

Por outro lado, é muito melhor se puder resolver seus problemas e aprender a usufruir o companheirismo mútuo. Isto poderá conseguir se ambos realmente quiserem preservar o matrimônio e se recorrerem à Palavra de Deus para obter ajuda nisso.

Cada cônjuge precisa reconhecer que há uma razão fundamental por que o casamento está em dificuldades. Isto se dá porque quer um quer o outro dos cônjuges, ou ambos, não aplicam os princípios bíblicos. Em alguma parte, estes princípios vitais estão sendo postos de lado, desconsiderados e são substituídos pelas inclinações pessoais. Portanto, para salvar o matrimônio, precisa-se corrigir esta situação.

Por exemplo, o problema talvez seja que não se aplica o princípio bíblico da chefia e do amor. A Bíblia diz: "As esposas estejam sujeitas aos seus maridos como ao Senhor, porque o marido é cabeça de sua esposa, assim como também o Cristo é cabeça da Igreja . . . os maridos devem estar amando as suas esposas como aos seus próprios corpos." — Efé. 5.22, 23, 28.

Ser o marido cabeça de sua esposa significa que lhe cabe a responsabilidade principal das decisões sobre assuntos de família. Assim, pode surgir o caso em que seu marido decida mudar-se com a família para outro lugar. Como esposa, talvez se dê conta de que isto criará problemas; mas, se aplicar aquilo que a Bíblia ensina sobre a chefia, cederá ao desejo de seu marido, pois ele tem o direito de decidir tais questões.

Diz o Catecismo:

1617 - Toda a vida cristã traz a marca do amor esponsal de Cristo e da Igreja. Já o Batismo, entrada no Povo de Deus, é um mistério nupcial: é, por assim dizer, o banho das núpcias que precede o banquete de núpcias, a Eucaristia. O Matrimônio cristão se torna, por sua vez, sinal eficaz, sacramento da aliança de Cristo e da Igreja. O Matrimônio entre batizados é um verdadeiro sacramento da nova aliança, pois significa e comunica a graça.

Por outro lado, como marido que aplica o princípio bíblico de `amar a esposa como a si mesmo', falará com a esposa sobre o assunto de se mudar antes de tomar a sua decisão. Saberá o que ela pensa sobre isso e obterá sugestões, e tome estas em consideração. Mas, como marido, cabe-lhe a decisão final, e esta decisão deve ser respeitada e apoiada pela esposa cristã.

Portanto, embora em algumas famílias o desagrado com a moradia possa tornar-se tão sério que cria o desejo de resolver o problema por uma separação, tais problemas podem ser evitados inteiramente com a aplicação dos princípios bíblicos. Isto dá realmente bons resultados! Quando os casais estão dispostos a harmonizar a sua vida com a Palavra de Deus, seu casamento pode realmente ser feliz.

MOSTRAR INTERESSE MÚTUO

Um princípio bíblico cuja aplicação no casamento é vital para os casais é o de mostrarem interesse amoroso um no outro. "Que cada um persista em buscar, não a sua própria vantagem, mas a da outra pessoa", é o incentivo que a Bíblia dá. (1 Cor. 10.24; Fil. 2.4) Muitos casamentos se salvaram quando o marido e a mulher se esforçaram em aplicar isto.

Quando se cortejavam antes de se casarem, cada um se esforçava a cultivar interesse naquilo de que o outro gostava, não é verdade? Sem dúvida, este foi um dos fatores que lhe agradaram no outro. Então, por que não continuar tal prática? Naturalmente, talvez não se interesse em algumas das atividades de que seu marido gosta. Ele talvez não seja crente cristão, e assim talvez não tenha o interesse no estudo bíblico que a esposa tem. Não obstante, fará bem em cultivar interesse em certas de suas atividades, por causa do casamento. É difícil fazer aumentar o amor quando o marido e a esposa não fazem as coisas juntos.

Portanto, quando não está envolvida nenhuma violação dum princípio ou duma questão bíblica, o cônjuge crente fará bem em dominar os desejos pessoais e em gastar algum tempo fazendo aquilo que o incrédulo quer, demonstrando assim razoabilidade cristã. Tal proceder é amoroso e pode induzir o incrédulo a investigar a fé que resulta em tal consideração para com o cônjuge.

Recentemente, uma esposa cristã, que tinha sérias dificuldades matrimoniais, admitiu a sua falha neste sentido: "Errei em não considerar os desejos de meu marido", explicou ela. "Não cultivei nenhum interesse nas coisas que agradavam a ele. Ele gostava de jogar boliche, ir caçar, assistir a jogos de basebol e assim por diante. Embora há anos atrás ele costumava convidar-me, nunca fui."

Esta senhora aceitou a exortação de participar em algumas das atividades de seu marido. Toda feliz, ela escreveu: "Eu lhe disse que tinha estado errada em muitos casos, e que ia tentar agir melhor. Disse-lhe que gostaria de ir jogar boliche um dia por semana, possivelmente no sábado à tarde, se ele quisesse. Poucos dias depois, convidei-o ao nosso estudo bíblico, e fiquei muito surpreendida quando ele aceitou. Meu coração se sentiu muito compadecido dele quando ele disse que ia porque queria aprender a fazer o que era direito."

Também o marido cristão deve esforçar-se a mostrar interesse na sua esposa e nas atividades em que ela se empenha a favor da família. Mesmo que ela não aceite agora o verdadeiro cristianismo, passe tempo com ela, tenha consideração para com ela e a elogie. Mostre-lhe seu interesse. Nunca esteja ocupado demais com outros empenhos que não possa devotar algum tempo a ela e assegurar-lhe seu amor.

Simplesmente estar atento ou em sintonia com os interesses e com as necessidades do outro é vital para um casamento harmonioso. Uma jovem senhora, que deixou de fazer isto, queixou-se de seu marido. "Ele continua a apresentar desculpas para se manter cada vez mais tempo longe de mim.' Consideraram-se com ela os motivos por que o marido talvez agisse assim. Ela admitiu que se interessava agora menos em cuidar de sua aparência pessoal. Ela disse também que a conversa de seu marido a entediava e que tinha pouco interesse em conversar com ele.

Ajudou-se a esposa a compreender a necessidade de mostrar mais interesse no seu marido. Assim, ela começou a estar mais atenta a ele e a se interessar mais no que ele fazia. Fazia questão de preparar-lhe mais vezes a sua comida favorita e de prestar mais atenção a lhe ser fisicamente atraente. O marido correspondeu por estar novamente ansioso de voltar para casa, para estar com sua esposa.

É verdade que talvez seja fácil de ver o que seu cônjuge faz de errado. Mas a esposa cristã devia perguntar-se: "O que posso eu fazer para contribuir para o bom êxito da união? Se o meu marido não volta para casa à noite, mas sai e se embriaga, será que é porque há alguma coisa a respeito do lar à qual não gosta de voltar? Ralho com ele? Digo-lhe sempre o que devia fazer? São os filhos desregrados? Tal análise honesta de si mesma pode ser extremamente reveladora e valiosa.

FALAREM-SE MUTUAMENTE

O intercâmbio de comunicação é um modo evidente, no entanto vital, para os cônjuges demonstrarem interesse amoroso um no outro. Sem dúvida antes de se casar fazia esforço para manter a conversa interessante com a sua futura esposa. Ela evidentemente gostava disso. Portanto, é sábio continuar a fazer este esforço na conversa. Sua esposa gostará disso.

A esposa, por outro lado, deve usar de discrição na conversa. Não cumprimente seu marido com uma barragem de problemas, assim que ele voltar para casa e antes de poder acomodar-se. Pense nas coisas agradáveis de que lhe poderia falar. E quando há problemas a considerar, escolha uma ocasião em que ele tiver melhor disposição para considerá-los. Tal consideração amorosa certamente contribuirá para melhorar as relações maritais.

VANTAGENS USUFRUÍDAS PELOS CRISTÃOS

Os maridos cristãos e as esposas cristãs têm verdadeira vantagem. Em primeiro lugar, podem confiantemente recorrer juntos à Palavra de Deus e aos Sacramentos da Igreja e considerar seus problemas à luz de seu conselho sábio. Também, podem apresentar seus problemas juntos a Deus em oração, pedindo humildemente que os ajude. (Sal. 139.23, 24) Depois de se unirem assim em oração, dificilmente estarão inclinados a tratar-se de modo duro ou frio.

O grande apóstolo do Rosário do século XX, Padre Patrício Peyton, que fez senão propagar através da pregação, do rádio, do cinema e da televisão a devoção do terço, sobretudo em família? Por toda a parte repetia o mote: «Família que reza unida, é família que vive unida».

Por outro lado, se as diferenças forem grandes, os cônjuges cristãos têm uma bela provisão para obter ajuda na Igreja. Ali podem ser consultados os bispos maduros e homens mais maduros que têm o pensamento de Deus quanto às questões maritais, para se obter conselho das Escrituras. Por aplicarem tal conselho, os que têm dificuldades maritais por certo serão beneficiados.

Nenhuma outra instituição defende tanto os valores familiares quanto a Igreja católica. Num mundo onde a subversão e os perigos ao casamento existem, surge como porto seguro as devoções e orações recomendadas pela Igreja. Somente tendo a Cristo como centro da família, um casamento pode existir com perfeição. Fazendo de cada um seu deus particular e retirando a Cristo do eixo familiar, o casamento pode correr por caminhos tortuosos.

Por isto diz o santo Catecismo:

1618 - Cristo é o centro de toda a vida cristã. O vínculo com Ele está em primeiro lugar, na frente de todos os outros vínculos, familiares ou sociais. Desde o começo da Igreja, houve homens e mulheres que renunciaram ao grande bem do Matrimônio para seguir o Cordeiro onde quer que fosse, para ocupar-se com as coisas do Senhor, para procurar agradar- lhe, para ir ao encontro do Esposo que vem. O próprio Cristo convidou alguns para segui-lo neste modo de vida, cujo modelo continua sendo ele mesmo:

Há eunucos que nasceram assim do ventre materno. E há eunucos que foram feitos eunucos pelos homens. E há eunucos que se fizeram eunucos por causa do Reino dos Céus. Quem tiver capacidade para compreender compreenda! (Mt 19,12).


Assim, se agora tiver dificuldades maritais, não fique desanimado. Poderá fazer muito para melhorar a situação. E lembre-se de que, se o marido e a esposa realmente quiserem preservar seu casamento, e se recorrerem à Palavra de Deus, às orações e aos conselhos da Igreja em busca de ajuda para isso, seu casamento pode ser salvo.

Um requisito básico para o bom êxito no matrimônio é consultar regulamente o conselho do seu Originador, Deus, conforme se encontra na Bíblia.

Fiquemos mais uma vez com o Catecismo:

1642 - Cristo é a fonte desta graça. "Como outrora Deus tomou a iniciativa do pacto de amor e fidelidade com seu povo, assim agora o Salvador dos homens, Esposo da Igreja, vem ao encontro dos cônjuges cristãos pelo sacramento do Matrimônio". Permanece com eles, concede-lhes a força de segui-lo levando sua cruz e de levantar-se depois da queda, perdoar-se mutuamente, carregar o fardo uns dos outros, "submeter-se uns aos outros no temor de Cristo" (Ef 5,21) e amar-se com um amor sobrenatural, delicado e fecundo. Nas alegrias de seu amor e de sua vida familiar, Ele lhes dá, aqui na terra, um antegozo do festim de núpcias do Cordeiro.

Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte e o(s) autor(es).

************
Para citar este artigo:
OLIVEIRA, Emerson de. Apostolado Veritatis Splendor: PODE SEU CASAMENTO SER SALVO?. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/5755. Desde 01/07/2009.

2 comentários:

Maite Tosta disse...

Comunicamos que o texto intitulado "PODE SEU CASAMENTO SER SALVO?" publicado recentemente no Veritatis Splendor, e que comportava o grave erro de aduzir que o adultério poderia legitimar o divórcio, não expressa a opinião do Veritatis Splendor nem a verdadeira Doutrina da Igreja. Com a Igreja, o Veritatis Splendor sempre proclamou a indissolubilidade do matrimônio, como se pode ver em vários artigos publicados no site. O que se deu nesse texto foi uma falha humana, devido a um erro de tradução do seu autor que não fora percebido. O texto, contudo, já foi retirado do ar, assim que um dos membros percebeu o erro.

Atenciosamente,
Apostolado Veritatis Splendor.

Emerson disse...

Irmãos, eu sou o Emerson, do Veritatis, que postou este artigo. Ele não foi todo escrito por mim mas coletado de várias fontes, inclusive o Catecismo. Só peço, por favor, que IGNOREM a parte que diz "O adultério é a única razão permitida pela lei de Deus para haver divórcio e novo casamento. Mas, que dizer da separação dos cônjuges, quando não houve adultério e quando não se pensa em divórcio?"
Retirem esta parte pois eu NÃO PERCEBI esse erro. NÃO É O QUE A IGREJA ENSINA. Peço sua compreensão e não é justo jogar um cesto de maças boas por uma podre. Obrigado.